sábado, 29 de novembro de 2008

Diga não à natalidade!!!

Eu sempre vivo falando a respeito disso mas nunca sou devidamente compreendido. Compreensível, até, que eu não seja compreendido, mas também acho que seja compreensível eu expor meus MOTIVOS aqui, não? Então vamos lá.
Em primeiro lugar, o planeta está super-populado, e já estava assim MUITO que eu ou provavelmente qualquer um que está lendo isso tivesse nascido. O planeta, como um todo, possui uma quantidade limitada de recursos naturais não-renováveis, (que JÁ começam a justificar o seu adjetivo de "não-renováveis") bem como de recursos renováveis. A expressão "recursos renováveis" dá a falsa impressão de que "não tem problema em gastar, os recursos se renovam", mas como disse, é uma FALSA impressão. O nosso planeta trabalha em rede, pode-se dizer, podemos ver isso no fato de que os recursos naturais RENOVÁVEIS existem em quantidade capaz de atender uma demanda LIMITADA a cada momento para conseguirem continuar sendo renováveis. Colocando de forma simples: Se eles não tiverem TEMPO para se renovar, não se renovarão, e quanto mais pessoas estiverem exigindo incessantemente desses mesmos recursos ao mesmo tempo, menos tempo eles terão para se recompor. Em última análise, recursos renováveis, quando mal administrados, efetivamente são recursos não-renováveis, e apenas causam uma ilusão de conforto. Não é MUITO diferente de como funciona um cartão de crédito, se pararmos para pensar, não? Ah, e não se esqueçam que além de nós mesmos essa rede deve ter a capacidade de sustentar OUTRAS formas de vida! Você quer seu filho vivendo em um mundo em que ele não encontrará água para beber e ar puro para respirar?
Meu segundo argumento é diretamente atrelado ao primeiro, na verdade: O fato de o planeta estar super-populado traz conseqüências SOCIAIS; as pessoas estão cada vez mais impacientes umas com as outras. O ódio abunda por todos os cantos onde a raça humana está presente. Para dizer sem medo de soar clichê: O amor está SUMINDO deste mundo. Você quer seu filho vivendo em um mundo em que pedir as horas a alguém na rua pode ser motivo para um assassinato?
Meu terceiro argumento é que sinceramente, a MAIORIA ESMAGADORA das pessoas que querem ter filhos NÃO TEM o preparo necessário para serem pais e mães. E como conseqüência, seja por negligência ou seja por seus melhores esforços não serem suficientes, acabam NÃO SENDO bons pais e mães. E por favor, não me venham com mistificação de "instinto materno" que isso não cola. TALVEZ colasse se eu não visse tantas garotas menores de idade tendo filhos que efetivamente são cuidados por suas mães (no caso, a avó da tal garota menor de idade... Deu para entender, né?). Não há instinto nenhum. As pessoas engravidam "sem querer", acham que criar um filho é como brincar com uma boneca, TALVEZ por contarem com a ajuda dos pais acabem nem tendo TANTAS dificuldades, mas aí acabam inspirando OUTROS a pensar que ter filhos é uma moleza... Você gostaria de ter um filho do qual não conseguisse cuidar?
Quarto argumento, novamente reportando-se à questão da superpopulação e adicionando elementos do terceiro: As pessoas, quando vêem a barra pesar com um filho nas costas para criar, freqüentemente adotam a opção do menor esforço, e abandonam a criança. Acaba não havendo muita diferença entre largar a criança em uma lata de lixo, na roda da Santa Casa ou entregar para algum parente, o fato em questão é que a criança é abandonada por quem REALMENTE deveria cuidar dela! Cadê aquele tal "instinto materno" nessas horas? Você gostaria que seu filho fosse criado como filho de outros, como membro de outra família?(Neste ponto, acho necessário abrir um parêntese: Com TANTAS crianças abandonadas mundo afora e TANTA gente querendo ter filhos, POR QUÊ ainda temos tanta gente insistindo em "ter um filho nosso"? Se o lance de ter um filho é por AMOR, tem forma melhor de mostrar amor do que aceitando como parte de sua família alguém que efetivamente é um estranho? Vai saber... Acho que é minha influência calvinista falando...)
Como podem ver, cada argumento é embasado nos argumentos anteriores. Afinal de contas, é como disse, o mundo funciona em rede! Tome uma pequena atitude para melhorar o mundo e você melhora SUA vida. Do mesmo modo, é possível tomar atitudes visando melhorar sua PRÓPRIA vida e como CONSEQÜÊNCIA melhorar o mundo. Bom negócio, não? Isso nos leva ao QUINTO argumento: Filhos são pessoas com vidas próprias, com suas decisões, preferências e gostos, e NÃO SÃO feitos para serem miniaturas de seus pais! Isso significa que como conseqüência do aspecto do segundo argumento que diz que o amor está sumindo do mundo, cada vez mais está inevitável que em algum momento de sua vida você vá entrar em conflito com seu filho, provavelmente quando ele considerar-se já adulto e achar que é inadmissível ficar ouvindo ordens de um caco velho e ultrapassado como você. Isso é mais comum do que a maioria das pessoas pensam ou gostariam de admitir, e pode terminar mal, muito mal. Você gostaria de ter um filho que te matasse ou que você acabasse matando para defender-se?
Bom... Esses são apenas os MEUS motivos, os motivos pelos quais EU não tenho filhos e nem quero ter. TALVEZ e apenas TALVEZ eu venha a adotar um algum dia, mas será uma decisão EXTREMAMENTE ponderada, e CONCEPÇÃO está simplesmente fora de cogitação.
Pense um pouco. Pese esses motivos. Pese todas as coisas que foram uma pedra no sapato em sua infância, e decida SINCERAMENTE se vale a pena forçar um mundo cansadao a dar suporte a mais uma pessoa, se vale a pena forçar uma humanidade com nervos em frangalhos esforçar-se MAIS para não detonar uma bomba atômica, se vale a pena parar de viver sua vida de diversão para ter uma boca a mais em casa, se vale a pena o seu filho ser criado em um orfanato, e se vale a pena seu filho se tornar um rival feroz, uma nêmese amarga.
Se você REALMENTE achar que vale a pena correr todos esses riscos... Bom... Eu nunca disse que poderia mudar sua mente...

6 comentários:

  1. Já te disse, mas vou dizer de novo, mto bem escrito e mto bem pensado. Meu sexto argumento: as pessoas têm filhos pq essa é a coisa mais "convencional", "tradicional" a se fazer, um suposto ciclo natural, mas q na verdade é extremamente cultural, vc nasce cresce, casa e a proxima coisa é ter filhos, mas ela nao ponderam quase nada sobre isso, sobre oq acarreta, alias nao ponderam quase nada sobre nada

    Hahaha, tchau beeeem, continua escrevendo assim! bjo!

    ResponderExcluir
  2. realmente, penso nisso com uma certa frequencia.
    Pois quero um filho, diferente do argumento. EU como mulher quero um filho, não nosso filho, não por ser d outra pessoa tb, mas por ser parte minha a continuar, porem esbarro nos motivos quais vc citou: recursos naturais, guerras, falta d amor. Mas é algo a se pensar e muito.
    Sempre penso " Se eu nacesse num mundo qual este se projeta, se eu agradeceria meus pais por ter m concebido?"
    Acho q não... rss Por isso penso muito!

    ResponderExcluir
  3. Cara! Tu falou tudo, do jeito que as coisas andam e do rumo que to dando a minha vida, um filho não se escaixaria de jeito nenhum, não consigo nem ter um cachorro...hahaha e meu peixinho, morreu o último esta semana =/
    Instinto materno? Acho que com certeza eu não possuo...hahaha
    òtimas palavras. Acho que temos de cuidar do que está aí e não colocar mais gente ainda no mundo.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. END OF THE LINE - YOU'RE BETTER OFF DEAD

    -- FQ

    ResponderExcluir
  5. Você é genial, é por isso que te chamo de meu amigo.

    Ter coragem de pensar de forma diferente é um sinal claro dessa genialidade. E genialidade, meu bem, está no que é óbvio e muito simples.

    As pessoas não têm filhos pelos filhos, têm filhos pelo próprio EGO!

    Na próxima vez em que alguém vier me cobrar meus 31 anos de útero vazio, vou tascar na cara esse texto...

    ResponderExcluir
  6. Recebi em casa um papelzinho mínimo escrito assim:

    "Quem ama, castra."

    Imediatamente esse texto me veio à mente! KKKKKKKKKKKKK!

    Beijos no coração, lindo.

    ResponderExcluir